Portugueses em bom plano nas Rotax Max Challenge Grand Finals no Brasil

- Races

Por Filipe Cairrão
 
Depois de dois dias dedicados a treinos livres oficiais, a 19ª edição das Rotax Max Challenge Grand Finals – na qual estão a participar 360 pilotos oriundos de 60 países distribuídos por seis categorias –, prosseguiu hoje, no Circuito Internacional Paladino, no nordeste do Brasil, com a sessão única de treinos cronometrados e com a disputa das primeiras mangas de qualificação.
 
Guilherme de Oliveira
3.º na categoria Júnior
Guilherme de Oliveira, depois de ter sido o 7.º mais rápido nos treinos cronometrados da categoria Júnior entre 72 concorrentes – em que ficou a 0,187s do melhor tempo alcançado pelo australiano Jaiden Pope –, esteve na luta pela vitória na primeira manga de qualificação. Depois de arrancar da 3.ª posição, o piloto de Vila Nova de Gaia passou para o 2.º posto e esteve a pressionar o líder Noel Leon, piloto mexicano que acabaria por vencer, na frente do holandês Robert Haan, enquanto Guilherme de Oliveira garantiu um excelente 3.º lugar, numa corrida em que o francês Cesar Gazeau rubricou a volta mais rápida (53,124s) e terminou na 11.ª posição entre 36 concorrentes. Na outra manga de qualificação da categoria Júnior, também disputada por 36 pilotos, o australiano Jaiden Pope confirmou a rapidez que havia demonstrado nos treinos cronometrados e bateu toda a concorrência, terminando com uma expressiva vantagem de 1,586s face ao segundo classificado, o canadiano Thomas Nepveu, numa corrida em que o dinamarquês Victor Frost Bay – 4.º classificado –, rubricou a volta mais rápida em 53,194s.
 
Gonçalo Coutinho
7.º na categoria Sénior
Igualmente inserido num pelotão com 72 pilotos, Gonçalo Coutinho depois de ter sido o 21º mais rápido nos treinos cronometrados da categoria Sénior, com a marca de 52,498s, conseguiu, na primeira manga de qualificação, disputada por 36 pilotos, recuperar do 11.º lugar até à 7.ª posição, numa corrida em que triunfou o sueco Hannes Morin, enquanto o holandês Senna Van Walstijn (4.º classificado) assinou a volta mais rápida com o tempo de 52,505s.
Na outra manga de qualificação da categoria Sénior, também disputada por 36 concorrentes, vitória para o austríaco Mario Novak e volta mais rápida para Benjamin Jurczak com a marca de 52,433s, piloto australiano que terminou na quinta posição.
 
Rui Pereira estreia-se
com um 27.º lugar na DD2 Master
Rui Pereira – estreante no Mundial Rotax – está a defender as cores nacionais na categoria DD2 Master entre 72 participantes. O piloto natural de Matosinhos obteve o 29.º melhor registo nos treinos cronometrados, sessão em que o sul-africano Cristiano Morgado foi o mais rápido com o tempo de 52,562s, tendo depois o piloto português terminado a sua primeira manga de qualificação no 27.º lugar (sem muita sorte) entre 36 concorrentes, numa corrida em que triunfou o sul-africano Michael Stephen e o australiano Matthew Hamilton rubricou a volta mais rápida em 52,534s, sendo, contudo, apenas 18.º classificado.
Na outra manga de qualificação, igualmente discutida por 36 pilotos, vitória para o austríaco Robert Pesevski, que também estabeleceu a melhor volta em 52,884s, confirmando a rapidez que havia demonstrado nos treinos cronometrados.
 
Boas recuperações
de Mariano Pires e Pedro Pinto na DD2
Na categoria DD2, Portugal tem dois representantes: Pedro Pinto, vencedor do Rotax Max Challenge Portugal, e Mariano Pires, que venceu as Series Rotax Espanha. Nos treinos cronometrados, o australiano Ryan Kennedy foi o mais rápido com a marca de 51,964s, enquanto Mariano Pires estabeleceu a 9.ª melhor volta (52,329s) e Pedro Pinto – sem muita sorte – foi 50.º classificado com o tempo de 52,927s.
Na primeira manga de qualificação, disputada por 36 pilotos, o costa-riquenho Daniel Formal bateu toda a concorrência e o norueguês Nikolai Stien, que foi 8.º classificado, rubricou a melhor volta em 52,055s.
Quanto aos portugueses, Mariano Pires largou da quinta posição, mas logo no arranque viria a cair para o 25.º lugar. O piloto de Ponte de Lima conseguiu, no entanto, ver a bandeira xadrez no 13.º posto, sendo o quinto mais rápido da corrida. Pedro Pinto, forçado a largar da 26.ª posição (depois do azar nos treinos cronometrados), também caiu logo após a partida para a 30.º lugar, mas o piloto do Porto ainda conseguiu recuperar até à 19.ª posição.
Na outra manga, na qual alinharam outros 36 concorrentes, vitória para o esloveno Xen De Ruwe, numa corrida em que o norte-americano Taylor Greenfield (5.º classificado) assinou a volta mais rápida em 51,885s.
 
José Barros 14º
na categoria Mini-Max
José Barros foi o 14.º mais rápido nos treinos cronometrados da categoria Mini-Max com a marca de 57,126s, não ficando muito longe do russo Iakov Soklov que garantiu a melhor volta em 56,818s. Na primeira manga de qualificação, o piloto do Porto largou da 13.ª posição e terminou no 16.º posto entre 36 concorrentes, numa corrida em que o alemão Farin Megger bateu toda a concorrência e rubricou a volta mais rápida em 56,837s.
 
Christian Costoya
foi 15.º na Micro-Max   
Sem representantes portugueses na categoria Micro-Max, o espanhol Christian Costoya, ‘nosso’ conhecido por ter ganho o Rotax Max Challenge Portugal, que lhe permitiu obter a qualificação para o Mundial no Brasil, foi o 22.º mais rápido nos treinos cronometrados entre 36 concorrentes com a marca de 1m00,066s , tendo a melhor volta sido rubricada pelo holandês Mitchell Van Dijk com o tempo de 59,124s.
Na primeira manga de qualificação, venceu o belga Douwe Dedecker – o mais rápido com a marca de 59,484s – e Christian Costoya viu a bandeira xadrez na 15.ª posição.    
 
Amanhã, a 19.ª edição das Rotax Max Challenge Grand Finals prossegue com mais duas mangas de qualificação para cada categoria, antes das Pré-Finais agendadas para sexta-feira e das Finais que se realizarão no sábado.

Newsletter

Stay tuned!
Assine a nossa newsletter
Follow Us on Facebook