KARTING

EMOÇÃO e PAIXÃO

FacebookTwitterInstagramYoutubePocketMags

RMCGF 2015: Portugueses com tempos positivos nos treinos cronometrados

RMCGF 2015: Portugueses com tempos positivos nos treinos cronometrados
Races

Estão cumpridos os treinos cronometrados das Rotax Max Challenge Grand Finals 2015 – vulgo Finais Mundiais Rotax – disputados esta tarde, por 288 pilotos oriundos de cerca de 60 países, no Kartódromo Internacional do Algarve, em Portimão, nas categorias DD2, DD2 Master, Max Sénior e Max Júnior. De uma forma geral, a ‘seleção’ portuguesa constituída por António Bravo Lima, Miguel Moura, Eduardo Leitão, Pedro Pinto, Bruno Borlido e Mariano Pires garantiram registos positivos.


Bruno Borlido, vice-campeão do mundo em título e único representante português na categoria Max Sénior – cujos chassis Sodi são obrigatórios para os 72 participantes –, rubricou a 6ª melhor marca da sua série e a 10ª da geral com o tempo de 1m00,553s, ficando a 0,231s do turco Berkay Besler, o mais rápido com o registo de 1m00,302s.

O piloto de Viana do Castelo vai, contudo, largar de uma posição favorável nas mangas de qualificação amanhã e deverá – em condições normais – obter o apuramento direto para a Final, onde já sublinhou que vai lutar pelo título que lhe escapou por muito pouco no ano passado, em Valência.

Mariano Pires também esteve em 2014 em Espanha a disputar a categoria Max Júnior e este ano volta a ser o único representante luso na classe em que os chassis Praga são obrigatórios para todos. O piloto de Ponte de Lima está com um andamento forte e nos treinos cronometrados rubricou a 12ª melhor marca (1m02,403s) da sua série e também da geral, pelo que também vai largar de uma posição positiva nas mangas de qualificação. Sem contrariedades e com uma boa gestão, Mariano Pires também não deverá ter dificuldade em assegurar o apuramento direto para a Final. O mais rápido foi o finlandês Roope Ropanen com o tempo de 1m01,912s.
 

Estreante no ‘Mundial’ e na categoria DD2… Pedro Pinto está a surpreender

Pedro Pinto está a mostrar um andamento muito positivo, atendendo que faz em Portimão duas estreias. Ou seja, o piloto do Porto está a participar pela primeira vez numa Final Mundial e a correr pela primeira vez na categoria DD2, cujos karts estão equipados com caixa de velocidades e os chassis Birel Art são obrigatórios para todo o pelotão (72). Pedro Pinto estabeleceu a 9º melhor marca da sua série e a 20ª da geral com o tempo de 59,212s, tendo o mais rápido sido o húngaro Ferenc Kancsar, campeão europeu em título.

Eduardo Leitão – tetracampeão da especialidade – debateu-se com algumas contrariedades e foi 16º classificado da sua série e 36º da geral com o registo de 59,327s, ficando a 0,398s do mais rápido, o que diz bem da competitividade que se vive nas Rotax Max Challenge Grand Finals.

A título de curiosidade, Rubens Barrichello assinou o 12º melhor tempo da sua série e o 25º da geral com o registo de 59,258s.

 

Miguel Moura forte entre os Masters e Bravo Lima está com problemas de motor

No que diz respeito à categoria DD2 Master – destinada a pilotos com idade igual ou superior a 32 anos –, cujos chassis Sodi são obrigatórios para todo o pelotão (72), Miguel Moura, que teve muito azar no ‘Mundial’ de 2014, realizado em Valência, desta vez conseguiu impor um bom ritmo e foi o 9º mais rápido da sua série e 13º da geral com a marca de 59,567s, ficando a apenas 0,310s do norte-americano Derek Wang, o mais veloz com o registo de 59,257s. “O início está a ser positivo. Estou com um bom andamento e espero evoluir ao longo da competição”, sublinhou o piloto de Esposende.

António Bravo Lima faz este ano a sua estreia numa Final Mundial e surgiu no traçado algarvio para competir com os melhores do mundo, vindo praticamente direto da Holanda para Portimão devido a compromissos profissionais. O piloto da Póvoa de Varzim, tal como outros pilotos, estão à espera que a organização analise o que se está a passar no motor do seu kart, dado que não está a colaborar nos baixos regimes, prevendo-se que seja algum problema relacionado com uma válvula ou com o carburador. Sem um kart colaborante, António Bravo Lima não conseguiu assim melhor do que a 31ª melhor marca da sua série e a 65ª da geral.

De qualquer modo, com todo o entusiamo que o carateriza no Karting sublinhou que está a divertir-se imenso. “Fiquei muito satisfeito com o motor que me entregaram após o sorteio e só fizemos umas pequenas afinações. Ontem, nos treinos livres, o motor estava bom e consegui fazer bons tempos, mas hoje o motor já não tinha saída. Estão a analisar o que se está a passar. Mas este espírito do ‘Mundial’ é fabuloso. Todos sabem que não estou aqui a lutar por um lugar no pódio ou por uma classificação específica, pois o que me move no Karting é a paixão que tenho por ele. Amanhã e na sexta-feira disputam-se as mangas de qualificação e vou estar naturalmente empenhado em dar o meu melhor, mas acima de tudo desfrutar de estar a competir com os melhores do mundo da especialidade e neste cenário que, como já disse, é fabuloso”, frisou António Bravo Lima.


Texto Filipe Cairrão
VVL Sport Image

OKKART srl © COPYRIGHT 2016 | P.IVA 02629390598 | PRIVACY POLICY